Home

 

Foi um ano de tropeços no cinema: um David Fincher mais fraco (“Garota Exemplar”), Tom Cruise fazendo mais do mesmo (“No Limite do Amanhã”), Luc Besson errando feio a mão (“Lucy”), Christopher Nolan se desequilibrando (“Interstellar”), Darren Aronofsky completamente perdido (“Noé”), Marc Webb vendido e totalmente desnecessário (“O Espetacular Homem-Aranha 2”), José Padilha fraquíssimo (“Robocop”), uma triste tentativa de reboot de Jack Ryan com Kenneth Branagh na direção (“Operação Sombra”),”Clube de Compras Dallas” serviu apenas para render Oscars a Mathew Mcgonaughey e Jared Leto, Lars Von Trier não entregou o que prometeu em “Ninfomaníaca” e Stephen Daldry visitou o Brasil no péssimo “Trash”.

Já a série “Planeta dos Macacos” cresceu e manteve a qualidade do primeiro (“O Confronto”). Bryan Singer fez bonito, mas abaixo das espectativas em “X-Men Dias de Um Futuro Esquecido”. Steve McQueen fez uma obra-prima com “12 Anos de Escravidão”. Spike Jonze brilhou com “Ela”. Richard Linklater manteve o alto nível com “Boyhood”. “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho” mostrou toda a sua sensibilidade. Martin Scorcese fez bonito em “O Lobo de Wall Street”. “Alabama Monroe” mostrou a tristeza da vida.

Enfim. Foi um ano cujos melhores filmes, na verdade, eram de 2013. Este 2014 não teve um nível digno de menção na história do cinema.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s