Home

Lá se vai mais um Lollapalooza, festival que já faz parte da agenda sulamericana da música. E, apesar deste ano não ter nenhum grande nome do indie rock (Pharrel é do pop e Jack White é poprock), foi um belo festival. Acho que o Lolla finalmente achou sua casa: o autódromo de Interlagos, apesar de distante do centro, é um baita de um lugar. E, neste ano, rechearam o “parque” com redes, foodtrucks, bancos e até balanços. A locomoção entre os palcos fluiu muito bem (ao contrário do ano passado), o som esteve em alto nível (tirando problema na St Vincent e som baixo no Foster The People), o transporte via trem foi perfeito (mesmo na saída, com toda a multidão indo ao mesmo tempo), não houve filas (nem para o banheiro) e não vi nenhuma confusão.

Dia 1:

FITZ AND THE TANTRUMS ****

Dos melhores shows do Festival, eu havia visto a banda na quinta passada na Audio Club. Bons hits dançantes do pop rock e uma diva da música que encantou o público. Simpatia e muito balanço.

ALT-J ****

Talvez uma das bandas do mainstream mais criativas e inovadoras. Foi meu segundo show, o primeiro havia sido na sexta, no Cine Jóia. Destoou do ritmo pula-pula do festival, mas mesmo fazendo um show de ritmo mais intimista arrastou muita gente para o palco Skol. Lindo de se ver.

ST VINCENT ***

Essa moça é muito boa. Fez um dos melhores álbuns do ano passado. O show foi bom, mesmo com um dos autofalantes ter apresentado problemas no início. Bom show.

ROBERT PLANT ***

O que dizer de um dos maiores ícones do rock tocando um pouco de Led Zepelin?

MARCELO D2 ***

Substituto do substituto, D2 fez um belo show no palco Axe.

Dia 2:

RUDIMENTAL ***

Não é meu tipo de som, mas fez um show cheio de energia.

INTERPOL ****

Foi meu quarto show da banda. De público fiel, fez uma boa apresentação, misturando velharias e novidades do álbum El Pintor.

THE KOOKS ****

Foi meu terceiro show desses simpáticos ingleses. Sempre cheios de energia, superlotaram o Palco Ônix (como eu já havia visto eles fazerem duas vezes com o Via Funchal) e botaram a multidão pra dançar.

FOSTER THE PEOPLE ****

Foi meu quarto show da banda. Neste ano, parece que Mark Foster estava um tanto preguiçoso e ainda vivendo o auge (irreal) do álbum anterior. Quando foi headliner do Lolla há alguns anos, Foster fez um show espetacular. Agora, com um ótimo álbum novo mas nem de longe com o mesmo sucesso do anterior, Mark agiu no palco como se fosse Mick Jagger. O show foi bom, mas faltou mais alma e sobrou firula.

YOUNG THE GIANT ****

Que surpresa! Talvez o melhor show que vi no festival. E com o frontman mais autêntico, pirado e verdadeiro. Procure essa banda e divirta-se.

SMASHING PUMPKINS ****

Banda que faz parte da minha vida. Portanto, tenho uma conexão emocional com as músicas. E ver ao vivo Cherub Rock, Tonight Tonight, Ava Adore, 1979, Bullets with Butterfly Wings, Disarm e Today, pra mim, é histórico. De chorar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s