Ele mandou queimar

Ele pediu, riu e mandou queimar

A multidão sorriu eufórica

E aplaudiu esfomeada

E urrou orgástica

E ele mandou queimar

Ele pediu, riu e mandou matar

Além da vida que agoniza em chamas

Um país arde em silêncio

A mídia se cala

A elite só ladra

A justiça sem olhos

O povo sem rosto

E ele manda queimar

Ele manda matar

Disseram

O dia ainda vai virar noite

E a noite vai virar dia

E ele só mandou queimar

Ele só mandou matar

Cai o índio

Cai o negro

Cai a trans

Cai o sangue do irmão

Cai o suor do medo

Cai a saliva da raiva

É o sabor do ódio

É o gosto da ignorância

Mas quem mandou matar

Quem mandou queimar

Esse não cai não

Disseram

O dia ainda vai virar noite

E a noite vai virar dia

Quando o céu estender a cortina negra

Quando a nuvem cobrir a riqueza

Quando o corpo cair sobre nossas cabeças

Quando a morte chover dos céus

E tampar a ganância

E escurecer a ignorância

E esfregar a avareza

E humilhar a insignificância

Será o início de tudo

O começo do encerramento

O fim do que já terminou

O ponto final

A agonia fatal

Disseram

O dia ainda vai virar noite

E a noite vai virar dia

Aconteceu

E nada mudou.

Anúncios